A tabela dos 72 anjos

O que seria do ocultismo ocidental sem seus tabelões, não é mesmo? A tendência de botar tudo em planilhas pode ser um hábito ruim, quando vira um fim em si mesmo e estimula o hábito de obsessivamente taxonomizar e encaixar tudo que existe na realidade em categorias fechadinhas e definitivas (uma tendência que a gente…

Conjurando os anjos cabalísticos

No mês retrasado, eu falei um pouco sobre os 72 anjos do Shem HaMephorash ou Shem Vayisa Vayiet, também conhecidos como anjos cabalísticos. Vimos como os 72 nomes triliterais de Deus são constituídos a partir de 3 versículos do livro do Êxodo e como, somados às fórmulas divinas Yah e El, nas tradições do ocultismo…

O que NÃO fazer em sua consulta com cartomantes

Pois, então, eis que você marcou uma consulta com alguém para tirar tarô para você — ao longo deste texto, eu estou pensando mais especificamente no tarô, mas os princípios gerais se aplicam para quem trabalha com cartomancia usando o Lenormand também ou ainda runas, geomancia e o que mais for[1]. Se você está procurando um oraculista,…

O que é bom saber antes de fazer “trabalho de sombras”

Para bem ou para mal, a noção de “trabalho com sombras” ou “trabalho de sombras” se tornou moda, especialmente no meio esotérico. Tem artigos sobre isso até em sites como o infame Goop e o da revista Cosmopolitan (!!!). Este último, aliás, descreve o processo como “the magickal tool that every esoteric bad bitch needs…

Os 72 anjos cabalísticos

Os 72 anjos do Shem HaMephorash, também conhecidos como os “anjos cabalísticos”, constam entre as figuras angelicais mais populares no ocultismo, perdendo apenas para o Big 4 celestial (Rafael, Miguel, Gabriel e Uriel) e talvez os anjos das 10 sefiroth. O primeiro deles se chama Vehuiah, o segundo Yeliel, o terceiro Sitael, e assim por…

Primeiros passos com o tarô

Então você decidiu que vai aprender tarô. Ótimo! Mesmo que você não pretenda atender profissionalmente em algum momento do futuro, todo mundo pode se beneficiar do domínio de um método divinatório, especialmente se já pratica magia. É uma mão na roda ter uma ferramenta assim para se comunicar com forças incorpóreas e avaliar se uma…

Sobre os elementos  –  parte III: magia elemental

Um dos textos mágicos mais antigos, talvez o mais antigo, fora do Oriente e seu material dos Upanixades, que põe em prática a teoria dos quatro elementos e utiliza fórmulas para invocá-los, parece ser o comecinho da famosa Liturgia de Mithras, que consta nos PGM (IV. 475–829). Cito-a logo abaixo: Esta é a invocação do…

A Lua, o Portal Celeste

Como toda bruxa bem sabe, a Lua é provavelmente o corpo celeste mais importante para a magia. Também é um dos mais complexos. É um senso comum das práticas mágicas — acredito que principalmente na bruxaria, mas não só, a magia de grimórios também trabalha com esse conceito — de que a Lua crescente serve para atrair coisas e…

Como construir um ritual de prosperidade

Hoje nós vamos falar de uma parte importante do trabalho mágico, que é aquilo que os gringos chamam de spellcrafting, a construção do feitiço, o trabalho de elaborar o roteiro de um ritual, entender os elementos envolvidos e como eles podem ser explorados da melhor forma e em quais etapas. Esse assunto é complicado, porque…

Os mistérios da magia com o tarô

Eu já aludi anteriormente aos usos mágicos dos sistemas divinatórios, no sentido de usá-los para manifestar resultados, em meu texto para ajudar a escolher oráculos. Agora vale a pena explorarmos mais a fundo esta possibilidade — afinal, esses sistemas são tão completos que é o tipo de coisa sobre a qual dá tranquilamente para basear…